Liderança, se você não conhecer os segredos agora, poderá se odiar no futuro!

Olá, tudo bem? Hoje começo um artigo que fala sobre os estilos de Liderança.

Digo começo, pois um artigo apenas não será suficiente para explorar com profundidade um tema tão amplo e interessante como este.

Você já viu a quantidade de livros sobre Liderança que existem por aí? Já percebeu também que os autores atribuem vários nomes diferentes para falar de Liderança?

Por acaso você se confunde com tantos estilos, suas características e qual é o melhor para aplicar em sua vida?

Se você tem estas e muitas outras dúvidas sobre Liderança este artigo é para você. Continue lendo e você:

  1. Conhecerá vários conceitos de autores diferentes
  2. Aprenderá as  3 principais teorias sobre a Liderança
  3. Conhecerá os estilos clássicos de Liderança
  4. Aprenderá a abordagem da Liderança Situacional
  5. Descobrirá as características, pontos fortes, pontos fracos e possibilidades de melhoria e as aplicações de cada estilo
  6. Entenderá também como os níveis de maturidade das pessoas de uma equipe podem influenciar no estilo de liderança a ser adotado
  7. Ao final, terá sua percepção ampliada sobre o tema, podendo decidir a melhor forma de liderar as pessoas e ajudá-las em seu desenvolvimento

Um Líder é alguém que conhece o caminho, corre ao longo do caminho e mostra o caminho. - John C. Maxwell

O Líder vai à frente mostrando o caminho para sua equipe...

Vou apresentar referenciais como Chiavenato, Ken Blanchard e Paul Hersey, passando também por Daniel Goleman até chegar aos dias atuais com as pesquisas de Marcus Buckingham.

Desta forma acredito que conseguirei colocar à sua disposição informações suficientes para a sua análise crítica e identificação daquele (ou daqueles) estilo(s) que mais se aproxima(m) do seu estilo pessoal de liderar.

Antes de falar dos estilos, convém definir Liderança:

O que é Liderança afinal? Veja alguns conceitos e definições para ampliar sua visão:

É o papel que se define pela frequência com que uma pessoa influencia ou dirige o comportamento de outros membros do grupo. - McDavid e Herrara

É um fenômeno de influência interpessoal exercida em determinada situação através do processo de comunicação humana, com vista à comunicação de determinados objetivos. - Fachada

É um processo de influência e de desempenho de uma função coletiva orientada para a consecução de resultados, aceita pelos membros do grupo. Liderar é pilotar a equipe, o grupo, a reunião; é prever, decidir e organizar. - Parreira, 2000

É a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum. - James C. Hunter

É a capacidade de influenciar e de levar pessoas a realizarem tarefas, com entusiasmo e motivação, em prol de objetivos comuns a todos os membros de uma determinada equipe. - Ken Blanchard

Esta última é a minha preferida, apesar de todas convergirem para o mesmo ponto:

Influenciar pessoas!

Portanto, ser Líder vai muito além do antigo modelo comando/controle, significa mobilizar o potencial e a vontade das pessoas para fazerem aquilo que deve ser feito pelo simples fato de ser a coisa certa a fazer naquele momento, não por obrigação ou medo.

De acordo com Chiavenato, a Teoria das Relações Humanas constatou a influência da liderança sobre o comportamento das pessoas.

O Líder atual precisa ter uma gestão Humanizada com sua equipe...

São três as principais teorias sobre a liderança:

Traços da personalidade: segundo esta teoria o líder possui características marcantes de personalidade que o qualificam para a função.

Estilos de liderança: esta teoria aponta 3 estilos de liderança: autocrática, democrática e liberal.

Situações de liderança (teoria Contingencial): nesta teoria o líder pode assumir diferentes padrões de liderança de acordo com a situação.

Segundo a Teoria das relações humanas, temos então 3 estilos de liderança:

Autocrática – Também chamada de liderança autoritária ou diretiva, neste estilo o líder é focado apenas nas tarefas, centraliza as decisões e impõe suas ordens ao grupo.

O líder toma suas decisões isoladamente sem considerar as opiniões de seus liderados e os informa dos trabalhos que precisam ser desenvolvidos.

O líder é dominador e pessoal nos elogios e nas críticas ao trabalho de cada membro.

Os liderados sob este estilo tendem a trabalhar sob forte tensão, frustração e agressividade de um lado e de outro nenhuma espontaneidade, nem iniciativa e nem formação de grupos de amizade.

Os trabalhos só são executados adequadamente na presença do líder.

Características do líder autocrático:

  1. Diz aos liderados como e o quê deve ser feito;
  2. Sua opinião sempre é a mais correta;
  3. Parte do pressuposto que seus liderados não são merecedores de confiança;
  4. Focado nas tarefas e não nas relações com seus subordinados;
  5. Seu poder é baseado no cargo que ocupa.

Este estilo dá ênfase no líder.

A Liderança Autocrática traz bons resultados de curto prazo, mas às custas de quem?

Liberal ou Laissez FaireLaissez-faire é uma expressão francesa que significa “deixai fazer, deixai ir, deixai passar”.

Aqui o líder dá mais liberdade aos seus liderados para a tomada de decisões e execução de seus projetos e tarefas.

Ele delega totalmente as decisões ao grupo deixando-os completamente à vontade e sem nenhum controle.

Poderia até indicar uma possível equipe madura, autodirigida e que não necessita de supervisão constante, porém pode ser indício de uma liderança fraca e negligente, onde o líder é permissivo aos erros cometidos pelo grupo sem corrigi-los.

Existe muitas vezes forte individualismo e agressividade nos componentes do grupo e pouco respeito ao líder.

Características do líder liberal:

  1. Aponta o problema;
  2. Dá muita autonomia ao liderado;
  3. Deixa o liderado decidir o que fazer;
  4. Tem pouca direção e pouca disciplina.

Este estilo dá ênfase nos subordinados.

A Liderança Liberal pode parecer positiva, porém dá liberdade demais aos liderados...

Democrática – Também chamada de liderança participativa ou consultiva, este estilo é voltado para as pessoas e há participação dos liderados no processo decisório.

O líder conduz e orienta o grupo e incentiva a participação democrática das pessoas. O líder e seus subordinados desenvolvem comunicações espontâneas, francas e cordiais.

Sob a influência deste estilo, o trabalho se mostra num ritmo suave e seguro, sem alterações mesmo quando o líder se ausenta.

Percebe-se também um aumento significativo nas relações humanas do grupo, sentido de responsabilidade e forte comprometimento pessoal.

O líder procura ser um membro normal do grupo.

Características do líder democrático:

  1. Compartilha suas decisões e atividades;
  2. Todos devem participar do planejamento e execução das tarefas;
  3. Não acredita ser o dono da verdade;
  4. Dá autonomia e responsabilidades;
  5. Focado nas relações interpessoais com o grupo;
  6. Constrói seu poder baseado em sua credibilidade.

Este estilo dá ênfase no líder e subordinados.

O Líder de estilo Democrático permite que a equipe tenha uma participação ativa em sua gestão

Resumindo os 3 estilos clássicos:

  • Os grupos submetidos à liderança autocrática apresentam maior quantidade de trabalho produzido.
  • Sob a liderança liberal os subordinados nem sempre entregam resultados em quantidade e qualidade.
  • Já na liderança democrática, os grupos apresentam um nível quantitativo de produção equivalente à liderança autocrática, com uma qualidade de trabalho muito superior.

Está gostando do artigo? Curta e compartilhe com seus amigos.

Qual destes estilos você acredita ser o mais adequado? Existe um estilo de liderança padrão a ser adotado na condução de equipes de trabalho?

Na prática o líder utiliza os três processos de liderança, de acordo com as situações, com as pessoas e as tarefas que precisam ser executadas.

O líder manda cumprir ordens, consulta os subordinados antes de tomar uma decisão e sugere maneiras de realizar as tarefas, ou seja, utiliza todos os três estilos de liderança.

O grande desafio é justamente saber quando aplicar qual estilo, com quem e em que circunstâncias e atividades.

E aí, o que fez sentido pra você? Você concorda que o líder deve utilizar todos os estilos dependendo da situação? Ou você escolheria um destes como padrão para o seu exercício da liderança?

Independente de suas respostas, o fato é que as pessoas são diferentes, possuem habilidades, conhecimentos e experiências de vida diferentes e as diversas tarefas que precisam ser executas também possuem níveis de dificuldades diferentes.

Portanto, chegamos à conclusão de que não dá para liderar todas as pessoas da mesma forma.

O ideal é mesclar características de ambos os estilos, pois existem situações que exigirão uma forma ou outra de liderança.

Há também alguns fatores que influenciam no estilo a ser adotado:

  1. Maturidade individual e da equipe;
  2. Relacionamento do grupo;
  3. Crenças e valores pessoais;
  4. Diferentes tarefas e prazos de execução.

E eis que surge a Liderança Situacional...

O ideal é mesclar o estilo de liderança de acordo com a situação e o nível de maturidade de cada liderado

Através da constatação acima, Ken Blanchard e Paul Hersey criaram em 1968 na Ohio University, um modelo de liderança ao qual denominaram de Liderança Situacional.

Em seu livro “Liderança de alto nível – como criar e liderar organizações de alto desempenho”, Ken Blanchard apresenta o modelo revisado, que se baseia na crença de que as pessoas querem crescer, e de que não existe um estilo de liderança que seja considerado o melhor para incentivar esse crescimento.

A aplicação do estilo de liderança deve ser feita sob medida conforme a situação. O modelo pode ser resumido nesta frase: Tratamentos diferentes para pessoas diferentes!

Para que uma pessoa seja incentivada a dar o melhor de si, a liderança precisa se adaptar ao nível de desenvolvimento que cada liderado se encontra.

De acordo com a Liderança Situacional II, existem 4 estilos básicos de liderança:

  1. Estilo E1 Direção
  2. Estilo E2 Coaching
  3. Estilo E3 Apoio
  4. Estilo E4 Delegação.

Esses estilos correspondem aos 4 níveis básicos de desenvolvimento do liderado:

D1 – Principiante empolgado – Característica: baixa competência (pouco ou nenhum conhecimento e habilidade) e alto empenho (muita energia e motivação para aprender e fazer). Precisa de direção.

D2 – Aprendiz decepcionado – Característica: baixa a alguma competência (já possui um pouco de conhecimento e/ou habilidade) e baixo empenho (já está acostumado com as tarefas, normalmente comete erros). Precisa de treinamento constante.

D3 – Colaborador capaz, mas cauteloso – Característica: competência de moderada a alta (já domina muitas das tarefas e processos) e empenho variável (tem capacidade de executar e tomar decisões). Precisa de apoio.

D4 – Realizador autoconfiante – Característica: alta competência (muito conhecimento, habilidade e experiência) e alto empenho (altos níveis de energia, vontade e motivação). Delegar é a palavra de ordem para o líder.

Perceba então que a Liderança Situacional leva em consideração aspectos como:

  1. Características gerenciais: suas habilidades, conhecimentos, experiências e motivação;
  2. Características da organização: cultura organizacional, expectativa de desempenho, regras e políticas internas;
  3. Características do trabalho em si: desafio do trabalho/rotina, necessidade de trabalho em equipe;
  4. Características dos trabalhadores: seus valores, formação, experiência e maturidade.
Conhecer estes aspectos ajudará você a utilizar o estilo certo, no momento certo e com a pessoa certa

Quando se fala de maturidade, deve-se levar em consideração o nível de capacidade do liderado (conhecimento, experiência e habilidades), ou seja, se sabe fazer, se já fez alguma vez e se faz com facilidade.

Também é preciso saber identificar o seu nível de disposição (confiança, compromisso e motivação), ou seja, se pode fazer, se vai fazer e se quer fazer.

É a partir daí que é possível identificar o melhor estilo de liderança a ser adotado em determinada situação envolvendo determinado liderado.

Quanta informação, não? Fique tranquilo, continue lendo, já está acabando (pelo menos esta parte).

Veja abaixo mais algumas características e também dicas de como e quando utilizar cada um dos estilos:

Estilo E1 Direção: o líder estrutura, ensina como fazer, acompanha e monitora o desempenho de perto.

  • Colaborador está começando, terá que aprender muita coisa ainda;
  • É muito motivado, mas não tem conhecimento/maturidade;
  • O líder tem que estruturar todo o processo;
  • O líder toma as decisões;
  • O líder “pega” na mão e ensina como fazer.
  • Acompanha de perto e dá instruções complementares.

EXEMPLO: liderado novo ou recém-promovido. Aqui o líder oferece muita supervisão e pouco apoio.

Estilo E2 Coaching: o líder direciona, explica as razões, solicita ideias sobre como fazer e supervisiona a realização da tarefa.

Colaborador que já aprendeu um pouquinho/começa a fazer questionamentos;

  • Colaborador não tem mais a necessidade de ser apreciado/aceito;
  • Diálogo de duas vias;
  • O líder toma as decisões, mas tem que explicar o porquê, quais são as razões;
  • Explica o papel do liderado;
  • Faz perguntas para esclarecer o nível de capacidade;
  • Reforça os pequenos progressos.

EXEMPLO: liderado sem experiência na tarefa, mas que quer muito aprender. Aqui o líder oferece muita supervisão e muito apoio.

Estilo E3 Apoio: o líder compartilha a tomada de decisão sobre o que fazer, como fazer e apoia o liderado durante a execução da tarefa.

  • Colaborador já sabe como fazer, porque fazer e das suas responsabilidades;
  • Colaborador quer crescer e às vezes faz alguma coisa errada;
  • É aquele colaborador que te traz “sossego”;
  • Quando ele precisa de você é para abrir a “picada”;
  • Traga-o para você (aliado), faça parceria;
  • O líder cumprimenta pelo trabalho, elogia e cria confiança;
  • O líder dá feedback construtivo positivo.

EXEMPLO: Colaborador assume um novo desafio ou projeto. Aqui o líder oferece muito apoio e pouca supervisão.

Estilo E4 Delegação: O líder delega, dá autonomia, apadrinha e o liderado faz por si mesmo.

  • Colaborador precisa de pouca coisa;
  • Colaborador precisa de desafios;
  • O liderado toma as decisões;
  • O líder supervisiona de modo relativamente discreto;
  • O líder faz perguntas como: Você quer? Você consegue? Tem o que precisa?  Até quando me entrega?;
  • Mantém-se acessível dizendo “Ok, se precisar é só me chamar!”.

EXEMPLO: Colaborador mais “maduro” na função, mais experiente e seguro. Aqui o líder oferece pouca supervisão e pouco apoio.

E agora, o que me diz? Conseguiu ampliar mais ainda sua percepção sobre Liderança? Começou a fazer mais sentido pra você o enfoque situacional do Líder?

Espero que sim!

É claro que não tenho a pretensão de conseguir sintetizar em um ou dois artigos um assunto tão complexo como este.

O objetivo é despertar em você que existem diversas possibilidades a serem exploradas e que, quanto mais você conhece, melhor e mais assertiva será a sua forma de liderar.

Não fique por aqui, pesquise outras fontes, vejas as obras referenciadas ao final deste artigo, tire suas próprias conclusões e adapte estes ou outros modelos à sua forma de ser, agir e pensar.

E se me permite uma sugestão, mesmo buscando esta adaptação ao seu “jeitão” de ser, lembre-se sempre de jamais esquecer de se lembrar que:

O Líder atual precisa incorporar uma Gestão Humanizada de Pessoas ao seu estilo, pois é o que as empresas buscam nos seus futuros Líderes. Pense nisso!

Perceba os Líderes ao seu redor... quais são os estilos que eles adotam e os resultados que entregam? Como são suas equipes?

Poderia parar por aqui com este tema, mas ainda é possível trazer outras novas abordagens, o que acha? Gostou da ideia? Que bom, fico feliz!

Trarei então no próximo artigo outras abordagens diferentes e que não podem ser consideradas concorrentes, mas, quem sabe, complementares aos estilos aqui apresentados.

Convido você a estudar com um pouco mais de profundidade sobre o assunto e, principalmente, colocar em prática os aprendizados adquiridos.

Seus liderados irão agradecer, com certeza!

Gostou do artigo? Curta e compartilhe com seus amigos.

Até o próximo artigo!

Dias fantásticos pra você e fique com Deus!

Grande abraço,

Marcelo Levi.

Sucesso não é sorte, é um estilo de vida! Por que o sucesso é você quem faz! - Marcelo Levi

Se você gostou deste artigo, talvez se interesse por estes também:

Para saber mais:

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria geral da Administração. 7ª edição revista e atualizadas. Rio de Janeiro. Editora Elsevier, 2003. 6ª reimpressão.

BLANCHARD, Ken. Liderança de alto nível – como criar e liderar organizações de alto desempenho. Porto Alegre. Editora Bookman, 2011.